Search
Close this search box.

20 de setembro marca o início do período do vazio sanitário do algodão em Minas Gerais

Vazio sanitário do algodão terá início em Minas Gerais no próximo dia 20 de setembro. Crédito: acervo Amipa/Cheese Filmes.

Os produtores de algodão de Minas Gerais devem ficar atentos para cumprirem o período do vazio sanitário do algodão para a safra 2021/2022, que inicia seu primeiro período no dia 20 de setembro e termina em 20 de novembro para quase todas as propriedades do estado. Durante este período, fica terminantemente proibido manter qualquer planta viva de algodão nas lavouras. Assim, o produtor torna-se responsável por destruir todos os restos da cultura ou soqueiras no prazo de 15 dias após a colheita, por meio da aplicação de produtos químicos ou com métodos físicos.

Além disso, o cotonicultor deve informar ao Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), até 20 de setembro, toda a área plantada, assim como fazer o cadastro da área com ponto georreferenciado da propriedade até 60 dias após o término do plantio. Para isso, deve procurar o escritório do IMA onde a propriedade está registrada e preencher o documento Ficha de inscrição de unidade de produção.

O vazio sanitário é uma medida fitossanitária adotada pelo governo de Minas Gerais, há mais de 10 anos, como forma de prevenir e controlar o bicudo-do-algodoeiro com vistas a proteger a produção algodoeira dos prejuízos ocasionados pela praga. Ficam isentas de cumprir a medida somente as áreas de pesquisa científica, de produção de sementes genéticas e em casos de frustração de safra, quando autorizadas, controladas e monitoradas pelo Instituto.

“O vazio sanitário é uma importante medida de controle de pragas, porque na ausência dos hospedeiros as pragas reduzem sua disseminação e isso contribui eficazmente para que no próximo plantio o ataque seja menos severo e os prejuízos minimizados”, analisa Nataniel Diniz Nogueira, gerente de Defesa Sanitária Vegetal do IMA. Segundo ele, é fundamental que os produtores cumpram as normas contidas na Portaria nº 1.884, de 23 de novembro de 2018, relativa ao vazio sanitário, bem como enviem a declaração obrigatória no prazo estipulado a fim de evitar as penalidades previstas na legislação.

Vazio sanitário

É uma medida fitossanitária que tem contribuído para reduzir a incidência de pragas e aumentar a produtividade das lavouras. Inicialmente era adotado apenas um período do ano, mas para atender a demanda do setor produtivo e facilitar o cumprimento da medida nos diferentes climas, solos e datas de plantio do estado, houve uma alteração legal que permitiu a divisão em dois períodos: 20 de setembro a 20 de novembro para a maioria das propriedades mineiras e de 30 de outubro a 30 de dezembro para aquelas com áreas irrigadas localizadas abaixo de 600 metros de altitude.

Caso o produtor não cumpra o vazio sanitário, pode ser punido com as sanções previstas em lei, como autuação e multa. Caso haja atraso na colheita, a Associação Mineira dos Produtores de Algodão (Amipa) deve ser contatada para que possa ser emitido um laudo técnico a ser encaminhado ao IMA com a justificativa da não destruição dos restos de cultura ou soqueira.

É de competência do Instituto fiscalizar, orientar e punir os produtores que não cumprirem as regras estabelecidas para o período do vazio sanitário, por meio da emissão de auto de infração. Segundo Nataniel Nogueira, a fiscalização realizada pelo IMA nos anos de implementação dessa medida tem constatado que o produtor tem cumprido sua obrigação legal, contribuindo para o controle do bicudo-do-algodoeiro nas lavouras mineiras.

O vazio sanitário do algodão foi implantado em Minas Gerais pela Portaria IMA n.º 1.019/2009 (alterada pela Portaria n.º 1.429/2014), em cumprimento ao Programa Nacional de Controle do Bicudo do Algodoeiro (PNCB), instituído pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, visando o “fortalecimento do sistema de produção agrícola do algodão, congregando ações estratégicas de defesa sanitária vegetal com suporte da pesquisa agrícola e da assistência técnica na prevenção e controle da praga”.

“O cumprimento do período do vazio traz benefícios para os produtores com a redução dos ataques das pragas e diminuição da quantidade de agrotóxicos utilizados para fazer o controle das mesmas. Esse procedimento contribui para o aumento da renda dos produtores”, argumenta Nogueira.

Informações sobre o vazio sanitário do algodão em Minas Gerais podem ser obtidas diretamente pelo site do Instituto.

Silvia Alves – assessora de imprensa Amipa
imprensa@amipaweb.com
(34) 9 9878-9905

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Matriz: Rua Major Gote, 585 – 5º andar, salas 501/502 | Patos de Minas (MG) | CEP 38700-107
Filial 1: Central de Classificação de Fibra de Algodão (Minas Cotton) – Rua Francisco Cândido Xavier, 50 | Uberlândia (MG) | CEP 38405-352 | Tel.: +55 (34) 2589-8900
Filial 2: Fábrica de Produtos Biológicos (Biofábrica) – Rua Francisco Cândido Xavier, 50 – 1º andar | Uberlândia (MG) | CEP 38405-352 | Tel.: +55 (34) 2589-8900

© 2023 – Associação Mineira dos Produtores de Algodão (AMIPA) – Todos os direitos reservados.